Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




domingo, 28 de agosto de 2011

Revival (by Fabi)



Definitivamente, estamos carentes de figuras expressivas no esporte, ou de eventos esportivos de nível, que me perdoem os entusiastas do futebol. Lembro bem quando a seleção masculina de voley brasileiro foi campeã olímpica em Barcelona 92. Como ficamos orgulhosos! Todos, repentinamente, desenvolveram um "tesão" imperioso pelo esporte. Toda criança queria jogar voley. Toda escola começou a apostar no esporte em suas aulas de educação física. Em 87, não foi diferente. A seleção brasileira de basquete masculino, nos jogos pan-americanos de Los Angeles, bateu a temível seleção americana e foi aclamada. Lembro que era pequena e sonhava poder ser um Oscar. Isso mesmo, queria jogar como aquele homem que fazia mágica em quadra. Mas minha baixa estatura não cooperou muito com meus sonhos. Modismos à parte, sendo a vedete do momento no Brasil, o UFC vem despertando nos brasileiros uma paixão inflamada pelo esporte. Arrastou uma penca de pessoas comuns ao octógono na HSBC Arena no Rio, uma dezena de globais, uma outra de políticos e até o milionário Eike Batista estava lá prestigiando o evento. O organizador do evento, um fortão de nome Dana White, ainda deve estar tentando entender o que viu. Ficou impressionado com a animação da torcida, uma euforia que, segundo ele, não via ha muito tempo nas arenas, mas devia-se ao consumo exagerado de cerveja. Viu também objetos sendo atirados na direção da arena e os bonés dos lutadores sendo roubados. E olha que só assistiu ao vivo quem podia pagar, visto que o valor dos ingressos variava entre R$ 250,00 e R$ 1.600,00. Logo, trabalhador-favelado-assalariado não poderia ter ido lá atirar coisas, nem roubar bonés. Ufa....Segura essa, classe média! Assistindo ao evento em casa, notei sutil semelhança com as arenas dos César's. E isso deveu-se à euforia descontrolada da platéia, que assemelhou-se aos pobres miseráveis daquela época que, famintos à espera de pão, anseavam loucos por sangue, suor e tripas pelo chão. Vou rever Gladiador e Espartacus essa semana, só p/ tirar a dúvida se evoluímos tanto desde a Roma Antiga.

Ave Cesar!


E para o povo “panis et circenses”!

sábado, 27 de agosto de 2011

Amores de sábado (By Cris Brandão)


Hoje eu não vim falar de futebol, finalmente. Sofri demais com meu time tão amado perdendo mais um clássico sem atitude.
Mas tudo bem, quero falar, portanto, de AMOR. Afinal, “All we need is Love”, já diziam entendedores muito melhores do que eu do assunto há uns 40 e poucos anos.
Tenho que afirmar que acho muito interessante o "ritmo" de amores que adquirimos durante a vida. Noturna, obviamente. Amamos tanto que acabamos às vezes tão sufocados nisso tudo que torna-se até engraçado... Trágicas comédias românticas. Nessa teia incontrolável e infinita, nos perdemos a cada dia, aliás, a cada noite em busca sempre de satisfação. Satisfação que nunca termina. À vera? E essa era uma música que eu adorava, embora não venha ao caso, mas a bebedeira me fez citá-la.
Enfim, madrugada de domingo, 03h18min, cansado e, como já disse, meio bêbado: combinação de fatores que é igual a cama, embora seja sempre um grande prazer estar por aqui com vocês, independente de quem sejam...
Para terminar, como não poderia deixar de ser, deixo singelas saudações Tricolores sofridas e nocauteadas em noite de UFC Rio aos irmãos de verde, branco e sangue encarnado, e a esperança de dias melhores, que, com certeza, virão. Mas como não estávamos falando de futebol e sim de amor, sugiro que escutem suas músicas prediletas e deitem-se com quem desejarem, na ordem que preferirem. Ou ao mesmo tempo.
Bons sonhos, bom domingo e que o amor impere!

Cris Brandão é Tricolor, chato e Ariano. Às vezes romântico também. Mas poucas vezes.

domingo, 21 de agosto de 2011

Uma Luz no fim do túnel (By Cris Brandão)

Finalmente, depois de 16, rodadas alternando vitórias e derrotas em igual proporção, o Fluminense empatou seu décimo sétimo jogo do Campeonato Brasileiro de 2011. É óbvio e notório que minha opinião de Tricolor que sou vem um pouco carregada e tendenciosa, mas arrisco-me a dizer que o Campeão Brasileiro foi merecedor da vitória, e, em detrimento da opinião de nosso comandante Abelão, também acho que fomos mais uma vez prejudicados pela arbitragem no lance do pênalti não marcado, originado no chute do Fredcana, que, diga-se de passagem, se arrastou em campo. Mas isso é outro assunto.
Entretanto, apesar do desperdício desses dois preciosos pontos, acredito que o time está numa crescente. O rendimento dos líderes já não é o mesmo de algumas rodadas atrás, portanto creio que teremos ainda a chance de pelo tão sonhado Bi / Tetra. Estamos, neste momento do campeonato, a 12 pontos do atual líder, Corinthians, vantagem que pode desaparecer ao longo do returno, e, além disso, ainda temos um jogo a menos, que será cumprido contra o peixe podre, comandado pelo Mercenário Ramalho, na próxima quarta-feira, dia 24 de Agosto em Santos.
No que diz respeito ao jogo, além da atuação do menino Lanzini ser novamente de encher os olhos, o que mais me chamou a atenção foi que, relembrando o time Campeão de 2010, as jogadas estão sendo feitas finalmente pelas laterais do campo, com melhora evidente no volume de jogo tanto de Mariano quanto de Carlinhos, que, aliás, foi quem fez o cruzamento perfeito para o gol de cabeça do excelente Rafael Moura, que vem suprindo as necessidades e lacunas deixadas pelo ineficiente Capitão Fred.
Como torcedor e entusiasta do bom futebol, acredito que logo Abel acabará cedendo às súplicas de nossa espetacular torcida e fará as manutenções que parecem óbvias, no meu ponto de vista, que, aliás, é o da maioria. Fernando Bob não tem lugar no time; Martinuccio e Ciro deveriam ser mais bem aproveitados; A zaga com Digão fica muito mais sólida, embora ele ainda esteja sem ritmo de jogo; Márcio Rosário é pavoroso e Gum é mediano; Fred deveria experimentar o banco de reservas. Acho que lhe cairia muito bem.
Enfim, apesar de todos os problemas, acredito que ainda haja luz no fim do túnel. Temos um bom plantel e somos o Time de Guerreiros, afinal de contas! Portanto, que venham o Santos e o Botafogo nessa próxima semana. E que o segundo turno seja verde, branco e grená.
Saudações Tricolores!

Cris Brandão é chato, compulsivo, cervejeiro e Tricolor de alma e coração.
Perfil do Twitter: @Cris_BrandaoFFC
BY CRIS BRANDÃO

Love? (by Fabi)

Se apaixonar está fora de moda. O que está em voga, nesse momento, é a sua capacidade de não se envolver. Em quantos encontros chegamos ao sexo? Quantos parceiros(as) consigo conciliar ao mesmo tempo? Uma luta constante e desenfreada pelo prazer. Orgasmos contínuos e diversificados, variedade de parceiros, superficialidade, desapego. Mas, por favor, não me fale de sentimentos. Existe coisa mais brega do que um olhar romântico, uma declaração de amor? Onde estão o brilho no olhar, aquele friozinho na barriga, a ansiedade pelo próximo encontro? Mas que próximo encontro?? Haverá próximo encontro? Haverá telefonema no dia seguinte? O mundo urge de novidades e as pessoas buscam por praticidade. O que pode haver de mais cômodo do que uma saída despretenciosa numa noite, outra em outra noite, outra em outra.....Ui, quase uma dízima periódica!
Homens e, pq não mulheres, fogem de toda essa complexidade chamada R.E.L.A.C.I.O.N.A.M.E.N.T.O........ Complexo porém, delicioso. Sou defensora árdua. Defendo mesmo! Nem mil latas de Red Bull, te darão a sensação que ter alguém a quem amar vai te dar... Vai por mim...Talvez seja por isso que cada vez mais nos deparamos com pessoas frustradas, melancólicas, tristes, incapazes de criar laços, pq cultuam o descompromisso, a frivolidade. O importante é não perdermos a nossa identidade, não aderirmos à modismos, não nos sentirmos E.Ts por consideramos normal, o que é o normal da vida.
Não siga fórmulas, manuais!!! Siga seu coração! (Ui, meu lado brega falou mais alto agora!)


quinta-feira, 18 de agosto de 2011

Para maiores e menores de 30 anos (by Gian)


Foi uma surpresa mais que agradável assistir à nova produção de Steven Spilberg “Super 8”, cuja estréia se deu nos cinemas na última sexta-feira. O filme fez recordar os anos 80, aquela doce infância em Nova Friburgo, onde aos domingos eu aguardava ansioso o começo da sessão das cinco para assistir espetaculares ficções científicas dirigidas ou produzidas pelo mestre do momento, Mr. Spilberg. E.T. o Extraterrestre, Os Goonies, Gremlins, Contatos imediatos de Terceiro Grau...quem nunca se rendeu a essas pequenas-grandes obras?

Que época de tão bons e simples filmes, onde a família toda saia junta pra sorvete, pipoca e cinema; as filas, o cheiro do amendoim torrado em frente à bilheteria, as paqueras antes das luzes se apagarem, o medo gostoso nas aparições repentinas de monstros ou aliens.

Toda essa nostalgia volta em doses homeopáticas a cada minutos das duas horas do gostoso longa “Super 8”. Lá está tudo aquilo que víamos antigamente: cidadezinhas do interior cujas casas não têm muros, grupo de amigos adolescentes que fazem descobertas fabulosas e se locomovem de bicicleta, o gordinho rejeitado, o medroso que vomita, a loirinha cobiçada e o suspense com boas doses de efeitos especiais. Tudo no clima dos anos 80 (a história se passa em 1979) para fazer com que nós, trintões e quarentões, nos emocionemos junto com a criançada que lota o cinema em busca de bons sustos. Exatamente como fazíamos a vinte e cinco anos atrás.

Além do mais, o filme é uma declaração de amor ao cinema, o título faz referência a uma velha filmadora muito usada por Spilberg quando ainda era um adolescente amador amante da sétima arte.

A direção fica nas mãos de J.J. Abrams, criador da série televisiva “Lost”, que não esconde sua admiração e amizade por Spilberg, fazendo esse admirável filme-homenagem, mesmo sendo rodado com o dinheiro do seu mestre, pois a produtora é a Amblin Entertainment.

Nesse final de semana, vá ao cinema. Se tiver filhos leve-os, caso contrário, pede seus pais pra te levarem. Diversão garantida.

Ps. Assistam os créditos finais, vale a pena a surpresa!

quarta-feira, 17 de agosto de 2011

Redenção?? (By Cris Brandão)


Redenção?
Hoje, quarta-feira, 17/08/2011 às 19h30min, o time de Guerreiros pisa novamente no “pasto” do Engenhão em busca da tão esperada redenção. Vindo de duas derrotas consecutivas e “inacreditáveis” para a sofrida Torcida do atual Dono do Brasil, o Fluminense enfrenta o modesto, porém eficaz Figueirense em casa, ou melhor, no Rio de Janeiro.
Novamente desfalcado de seu obviamente tão contestado e criticado Capitão de araque, (que jogou menos da metade das partidas do campeonato Brasileiro até agora, vale ressaltar), o Flu entra em campo com seu “pseudo” reserva Rafael Moura, ocupando a posição de centro avante titular e vestindo a mística e gloriosa camisa 10 tricolor. Que ele seja capaz de honrá-la e servir a nossos propósitos; e que o faça com garra, sorte e talento de matador que é. O Fluminense precisa desesperadamente desses três pontos para tentar iniciar a tão sonhada sequência de vitórias, para finalmente poder aproximar-se do G4, diga-se de passagem, o único setor da tabela de classificação que interessa ao atual campeão Brasileiro, principalmente depois de todo investimento feito num time de medalhões que não dão retorno. Aliás, justamente o oposto.
Talvez a estréia de Lanzini possa acrescentar algo ao meio campo tão ineficaz e confuso do time. Que Carlinhos mantenha a boa atuação de domingo, apesar da derrota, e faça o papel de lateral, que é. O mesmo serve para Mariano, que ele consiga relembrar o que é ir ao fundo e cruzar a bola, efetivamente. E, finalmente, que Abelão coloque os miolos no lugar e saque o Fernando Bob do time, coitado. Isso já seria um bom começo.
Mas enfim... Como Guerreiros que somos, não podemos desistir nunca. Assim é o Fluminense. E assim é também a inigualável torcida do time de Guerreiros. A mais linda torcida do mundo, da qual eu orgulhosamente faço parte.
Pra cima deles, Fluzão!
Saudações de Campeão Brasileiro, mesmo que sofridas... O G4 nos aguarda! Então... Até breve!

By Cris Brandão

Cris Brandão é tricolor de alma e coração, cervejeiro e Ariano. Salute!
Twitter: @Cris_brandaoFFC

Levamos 21 tiros (by Cristiane)

O que aconteceu na noite do dia 11 de agosto no bairro Piratininga em Niterói não foi apenas o assassinado de uma Juíza, foi uma afronta a todo cidadão de bem. Foi um insulto aos bons costumes, a moral e ao bem estar das pessoas honestas. Foi um atentado contra o sistema democrático, contra nosso direito constitucional de ir e vir, contra a justiça e contra a liberdade, no sentido mais amplo que podemos interpretar essa palavra.

Essa grande mulher de coragem ímpar trabalhava numa das cidades mais violentas e corruptas do estado, e combatia com avidez os criminosos mais covardes (e por isso perigosos) que assombram os mais carentes e necessitados. São os milicianos, os mafiosos das vans, os grupos de extermínio e os PMs de Farda suja. E o que mais indigna é o fato de se tratar de uma magistrada incorruptível. Se despacham algum Juiz que vende ou se beneficia das sentenças que julga, dana-se, é bandido matando bandido. Mas tirar a vida de alguém honesto, que luta pela sua, pela minha segurança e liberdade, é um crime contra todos nós e que me mercê uma punição exemplar.

O Governado Sérgio Cabral dispensou ajuda da Polícia Federal, mais um motivo para termos certeza que nossa polícia tem condições de por as mãos rapidamente na quadrilha de criminosos. Faça-se Justiça, e logo!

segunda-feira, 15 de agosto de 2011

Lamúria Tricolor (By Cris Brandão)


Lamúria Tricolor

Acordei sobressaltado durante essa madrugada sonhando, ou melhor, tendo um pesadelo: o Fluminense não conseguia uma sequência descente de vitórias nesse brasileirão. Apavorei-me quando percebi que, na verdade, não se tratava, simplesmente, de um sonho. Amargamos ontem mais uma derrota, dessa vez ressuscitando o moribundo Grêmio, que não ganhava de ninguém já há mais de um mês, e ainda pior, tendo saído na frente no placar com gol de Fred resultante de ótima jogada de Carlinhos, levando a bola à linha de fundo e cruzando para cabeçada certeira do capitão, conforme ensina a cartilha do futebol clássico e simples, diga-se de passagem.
Infelizmente, depois desse começo promissor, as coisas retornaram ao que tem sido mais comum, ultimamente. Muita posse de bola, mas sem eficácia. Para completar a lambança, tomamos ainda no primeiro tempo dois gols do adversário, sendo um deles num lance de bola parada. Bastou. Depois disso, mesmo com as “ousadas” modificações de Abel, que chegou a escalar quatro atacantes simultaneamente, numa medida desesperada, de nada adiantou, pois, ainda assim, quase não acertamos mais o gol do fragilizado Grêmio.
Analisando a tudo isso, e ao momento espírita que o cartola do Laranjal atravessa, imagino eu, poderíamos lançar uma campanha para o Abel realizar um sacrifício nas Laranjeiras, oferecendo a alma do Fernando Bode, digo Bob, aos Deuses do Futebol, (ou mesmo aos espíritos zombeteiros que rondam as Laranjeiras), em troca da redenção do atual Campeão Brasileiro. Já que ele, (o Bode), tem tido apresentações tão “brilhantes” na meiúca do time de Guerreiros, de acordo com a opinião de nosso sábio comandante, e só dele, acho eu, deve valer algo em moeda de troca com esses espíritos sombrios que nos rondam ultimamente.
Enfim, estamos numa situação esquerda, como diz a expressão. Uma defesa frágil, meio de campo sem inspiração, e, obviamente, ataque quase inoperante. Mas como somos Guerreiros e nunca desistimos, esperamos. Certo?? Que o segundo turno seja a virada de mesa tricolor em direção ao G4, pelo menos. É isso. Estaremos de volta no Engenhão, quarta-feira, ás 19h30min contra o Figueirense. Saudações Tricolores e saravá!

Cris Brandão é chato, compulsivo, cervejeiro e Tricolor de alma e coração.
Perfil do Twitter: @Cris_BrandaoFFC
BY CRIS BRANDÃO

quinta-feira, 11 de agosto de 2011

Nelson Jobim, Você é um fanfarrão ...(by Gian)


Não sei o termo que posso utilizar que expresse melhor a conduta do nosso ex-ministro que não seja o de FANFARRÃO.

Fez o maior cu doce pra aceitar o Ministério da Defesa, e quando entrou falou que não tinha vontade de sair por que era “prazeroso”; depois desfilou pelas forças armadas, de quartel em quartel, trajando uniforme de General, com quatro estrelas e tudo mais, o que lhe rendeu um processo criminal, visto que civil não pode usá-lo.

Noutra ocasião, logo após o acidente da TAM em Congonhas, circulou pra lá e pra cá com um capacete do Corpo de Bombeiros.

Conseguiu apoio para a criação do tão esperado Submarino Nuclear, e quando a Condoleezza Rice veio ao Brasil oferecer ajuda, sua resposta foi: “A única forma da Senhora ajudar é não se metendo no assunto!”, até o tradutor fingiu que não entendeu a frase e pediu para ele a repetisse.

Em entrevista recente, falou que votou no Serra nas últimas eleições. Informação absolutamente desnecessária: primeiro por que todos sabem da sua preferência pelo Tucano, que visa cortar quase todos os gastos destinados ao combate à pobreza e destiná-las a segurança das nossas fronteiras, segundo por que nunca escondeu uma amizade pessoal com o carequinha, já até moraram juntos.

E por último, pra melhorar suas graciosas entrevistas, disse que a Ministra Idelo Salvatti, das Relações interiores, era fraquinha, e que Gleisi Hoffman, da Casa Civil, era atrapalhada.

Pronto, ganhou a demissão.

Nelson, você é um fanfarrão, pede pra sair...