Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




sábado, 24 de março de 2012

Sexo não trás amor (by Gian)


Não sei se o termo “minimalista”, usado com freqüência em relação a tipos de cartazes em cinemas e em outras formas artísticas, pode ser dito em relação a filmes que buscam a simplicidade num todo, que expressam, tanto no roteiro, como na fotografia e na edição uma humildade que beira o amadorismo.

Acne”, escrito e dirigido pelo uruguaio Federico Veiroj, é um filme avesso a qualquer tipo de tecnologia que possa alterar a autenticidade do dia a dia de pessoas comuns com problemas normais e sem qualquer característica especial; silencioso e natural como a vida do adolescente Rafael Bregman, tímido, filho de pais em processo de separação, pouco notado pelas meninas da escola e com toda ebulição sexual natural da idade. Ao perder a virgindade com uma garota de programa, Rafael percebe que não é isso que realmente quer, seu desejo é por um beijo na boca, e de preferência em Nicole, menina do mesmo colégio por quem nutre uma paixão escondida. A baixa auto-estima com as espinhas cada vez mais freqüentes no rosto, os problemas em casa e a indiferença das meninas o levam cada vez mais ao isolamento, a uma solidão em mundo só dele, observando sempre ao redor, em busca de um flerte, um olhar misericordioso.

O filme é básico, começa, termina e fecha seu círculo. Nada muda, não é pra mudar. Pode gerar bocejo, descontentamento ou tristeza.

domingo, 18 de março de 2012

Poliamor? (by Fabi)

Pregando o descompromisso e o desapêgo, o poliamorismo (termo designado às relações amorosas que não crêm no princípio da monogamia), vem sido amplamente difundido na atualidade e já conta com inúmeros seguidores. Obviamente, que desde que o mundo é mundo, existe a infidelidade, o adultério e a traição, porém o poliamor é estar aberto a se relacionar com mais de uma pessoa simultaneamente, com o pleno consentimento de todas as partes.
Ora, posso estar muito atrasada, mas não consigo visualizar uma relação assim em meu cotidiano. Como construir algo sólido e duradouro, calcado na confiança e na lealdade, com alguém que segue a cartilha poliamorística? Não se trata de ciúmes pura e simplesmente, mas beira o cômico querer estar com o homem amado e ouvir "Olha só, hoje não dá....É o dia da Marieta." Fora a completa descaracterização da família. Como formar uma? Um relacionamento que exige exclusividade , não é, em hipótese alguma, nenhum tipo de violação da individualidade. Não se pode reduzir o outro à um mero detalhe. Uma simples opção diária ou semanal. O compromisso e a lealdade são pré-requisitos básicos para o surgimento da família. Sem contar o bom e velho ciúme que surgirá, inevitavelmente, logo que uma das partes se sentir preterida pela outra. Li em uma revista semanal num consultório médico que "o poliamorismo é o amor que se expande." Isso não se chama amor. O amor, o compromisso, a amizade, não se expandem dessa forma. Pq é impossível amar e dividir nessas condições. E não se trata de egoísmo como difundem os poliamoristas, é entrega, cuidado com o outro, cumplicidade. A natureza humana é engraçada... O homem está sempre à procura de práticas e costumes que violentam sua própria natureza. Foi o amor livre na década de 70, com o "Faça amor, não faça guerra!", o patrocínio da permissividade em prol de nós mesmos, sempre!
A sociedade, definitivamente, está doente. (Estou me tornando repetitiva com esse slogan).

segunda-feira, 12 de março de 2012

Já vai tarde (by Gian)


Depois de 23 anos de muita denúncia, processos e acusações, é com muito orgulho que escrevo sobre o fim da era Ricardo Teixeira como presidente da CBF. Ainda não é para ser vastamente comemorado porque seu substituto até o término da Copa do Mundo será o não menos inescrupuloso José Maria Marin, ex-governador de São Paulo que assumiu esse posto de outro ainda mais ladrão: Paulo Maluf na época saía para concorrer ao cargo de Deputado Federal. Só com alguns conhecidos nomes já sabemos que pouco muda até a nova eleição que acontece em 2014. Mas o pouco que muda faz diferença, pois se Ricardo Teixeira agüentasse no cargo até a Copa que será aqui no Brasil ele teria alguma chance de reeleição. Agora, às vésperas de ser divulgado um comprometedor processo judicial que corre na suíça, e de várias e novas denúncias ocorridas aqui no Brasil, entre elas uma transação de quase 4 milhões de dólares com o homem forte da Nike no Brasil, cujo depósito foi feito no nome da filha dele, Antônia Wigand Teixeira, de apenas 11 anos de idade, numa agencia do Bradesco na Barra da Tijuca, Ricardo Teixeira não agüentou a pressão mundial e tenta fugir de fininho. De acordo com o Blog do Jornalista esportivo Juca Kfouri, Ricardo já vendeu propriedades como o Laticínio Linda Linda e a fazenda Santa Rosa em Piraí, e já ensaia uma mudança para um condomínio de luxo em Miami, onde passou o carnaval deste ano. Isso evitaria o confisco de seus bens, estimados em 50 milhões de Reais.

A esperança agora, além das próximas eleições em 2014 para a presidência de CBF, está na Lei Geral da Copa que tramita no congresso, que tem também como objetivo a possibilidade de uma fiscalização mais rigorosa por parte do Estado nessa entidade corrupta de direito privado.

domingo, 11 de março de 2012

A fábula do coelho cego (By Gian)

Numa manhã, um coelho cego estava descendo para a sua toca quando dá um encontrão numa grande cobra que ali estava.
– Desculpe-me – disse o coelho –, não tinha a intenção de trombar com você, é que eu sou cego!
– Não há problema – responde a cobra –, a culpa foi minha, não percebi você chegar. É que eu também sou cega! Mas, por outro lado, que tipo de animal é você?
– Bem, na verdade não sei, sou cego, nunca me vi. Talvez você me consiga examinar e descobrir que tipo de bicho sou eu.
Então, com a ponta da língua e as narinas, a cobra examinou o coelho:
– Bem, você é macio, tem longas e sedosas orelhas, uma cauda que parece um pompom e um pequeno nariz. Você deve ser um coelho!
O coelho ficou tão contente que dançou de alegria.
Então a cobra disse que também não sabia que tipo de animal ela era e o coelho concordou em tentar descobrir.
Após ter examinado a cobra, com as patas e o nariz, o coelho respondeu:
– Você é duro… frio… escorregadio… viscoso… não tem cabelos… dá a impressão de andar sorrateiramente… parece traiçoeiro… inspira medo… você deve ser o José Serra!

quinta-feira, 8 de março de 2012

Mulher (by Gian)


E tudo começou em um grande oito de março, na luta das mulheres socialistas para melhoria nas condições de vida e trabalho, dando início à revolução de 1817. Porém, a data fixa foi definida a partir de movimentos feministas em 1821, na conferência das mulheres comunistas que homenagearam as companheiras costureiras de São Petersburgo, que em 1817 fizeram uma greve geral por pão e paz, e a partir de oito de março desencadearam a revolução russa. Muita luta se seguiu nas conquistas dos direitos mais básicos, tendo a igreja como um dos principais adversários na luta pela igualdade e liberdade.

Hoje no Brasil ainda há luta e muito preconceito. Ainda existe muitos crimes passionais: em média dez mulheres são mortas por dia dentro de casa pelos seus companheiros. Ainda temos alto índice de mortes por aborto por conta da nossa atrasada bancada evangélica na Câmara e no Senado. Temos estupro ao vivo em programa televisivo de alta audiência e estupro coletivo na Paraíba. Contudo, as coisas estão mudando, apesar das mulheres ainda serem minoria no parlamento e em cargos de direção e chefia, temos uma Presidenta da República, dez Ministras e algumas Governadoras e Prefeitas; está sendo votada no senado lei que incrimina empregadores que pagarem para as mulheres salário menor do que pagam para os homens, quando ambos realizam a mesma atividade; as mulheres já são maioria nas nossas universidades e cada vez mais ganham força no mercado de trabalho.

O caminho ainda está longo, mas vocês chegam lá. Eu sou todo torcida. Sou fã incondicionado das mulheres, um verdadeiro escravo da beleza feminina. Meus amigos me dizem que mudo até a voz e o comportamento ao lidar com o sexo oposto, e percebi que é verdade. Tenho admiração e respeito. Meu tratamento com as mulheres é sempre diferencial, me esforço ao máximo para ser carinhoso e prestativo, tanto faz se lido com uma faxineira ou com uma deputada. Acho-as superior. É por isso que para mim todo dia é dia da mulher, mas mesmo assim desejo um feliz dia internacional da mulher para todas as Deusas desse mundo, sem vocês, nós homens não seríamos nada.

segunda-feira, 5 de março de 2012

Um Daldry para ser esquecido (by Gian)


Quando Stephen Daldry surge nos começo da década passada com um filme que parecia ser um clichê danado – um garoto que quer ser bailarino numa cidade preconceituosa – e faz um dos filmes mais belos do ano, pensei com meus botões: Maravilha! está aí alguém que consegue emocionar sem apelações. Billy Elliot naquele ano virou meu filme da vez, comprei o CD com a trilha sonora e já devo ter assistido umas vinte vezes, no mínimo, sendo que a primeira foi no cinema. Daí pra frente sempre acompanhei o trabalho do Diretor, que infelizmente foi decaindo de filme para filme. Depois de Billy Elliot ele fez o ótimo “As Horas”, seu longa mais premiado: Recebeu o premio do Júri em Berlim, Levou Globo de Ouro na categoria melhor filme de Drama e melhor atriz, e concorreu a oito categorias do Oscar, incluindo aí Filme e Diretor. O filme é muito bom, mas Billy era melhor. Aí vem seu terceiro longa: “O leitor”, baseado no maravilhoso livro de Bernhard Schlink. Não sei se fui assistir com a forte impressão do livro que eu tinha na cabeça, mas não gostei muito, achei no máximo bonzinho, nota seis na escala de uma a dez.

E ontem, numa ansiedade feliz, lá fui eu assistir seu novo e aclamado “Tão Forte e Tão perto” que concorreu às estatuetas de Melhor Filme e melhor ator coadjuvante, e que fala sobre um garoto que perde o pai na queda das torres gêmeas em onze de setembro. Na verdade essa é a primeira grande produção em drama de ficção a tratar do assunto 11/09, cuja temática por ser delicada demais é evitada nos roteiros. O diretor tenta utilizar a carisma do menino para segurar uma história chata de uma chave achada dentro de um jarro e que pode ajudar o pobre coitado a saber mais sobre o pai desaparecido. A interpretação do garoto é uma cópia descarada do garoto de Billy Elliot, as mesmas caras e bocas, gestos e poses, a mesma persistência, só que no outro filme a busca era por algo concreto e genuíno, ou seja, a conquista de um sonho. Neste, não existe uma perspectiva, personagens mal construídos vem e vão em torno de uma figura curiosa que, por amor a quebra-cabeças e jogos de memória, corre atrás de algo que só existe na sua mente fantasiosa. Nota cinco, estou de bom humor hoje!

sábado, 3 de março de 2012

Violeta Parra (by Gian)


Depois de quase um mês assistindo aos concorrentes ao Oscar deste ano – já que eu não queria acompanhar a cerimônia nem um pouco desatualizado – volto a minha rotina de filmes não falados em língua inglesa, alguns premiados outros nem tanto.

E já começam os socos no estômago desde cedo. Fiquei meio acostumado com os estilos que concorrem ao mais famoso festival do mundo e me peguei aos prantos logo na minha primeira investida diferente: “Violeta foi para o Céu”, película chilena do grande diretor Andrés Wood que conta à história de um dos maiores talentos artísticos do país, a grande Violeta Parra, que além de compositora e fundadora da Música Popular chilena, era cantora e artista plástica.

Mulher de fibra e luta, com sua vida sempre dividida aos extremos: Do fracasso ao sucesso, do amor ao ódio, da alegria a tristeza, Violeta sofreu com injustiças sociais, com amor, com a perda de um filho e com o preconceito de ser de um país pobre. Talentosa em vários ramos culturais, mas com uma dificuldade tremenda em lidar com emoções. O filme vai te cativando pela bela música, pela ousadia de Violeta, e pela impressionante interpretação de Francisca Gavilán. A fotografia é linda, e o roteiro não linear nos coloca na vida da artista em vários momentos diferentes, sem atrapalhar o andamento da história.

Em um momento no filme, quando lhe questionam: “se tivesse que escolher apenas um talento, qual escolheria?”, e ela responde que “prefere ficar com as pessoas a ter qualquer talento, afinal, foram às pessoas que deram origem aos seus talentos”, a gente percebe que Violeta não quer ir para o céu, lá é um lugar para puritanos, de mau gosto, cristalino. Ela é sangue, suor e casca grossa. Violeta está aqui conosco! Vencedor de melhor filme estrangeiro em Sundance.