Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




domingo, 28 de agosto de 2011

Revival (by Fabi)



Definitivamente, estamos carentes de figuras expressivas no esporte, ou de eventos esportivos de nível, que me perdoem os entusiastas do futebol. Lembro bem quando a seleção masculina de voley brasileiro foi campeã olímpica em Barcelona 92. Como ficamos orgulhosos! Todos, repentinamente, desenvolveram um "tesão" imperioso pelo esporte. Toda criança queria jogar voley. Toda escola começou a apostar no esporte em suas aulas de educação física. Em 87, não foi diferente. A seleção brasileira de basquete masculino, nos jogos pan-americanos de Los Angeles, bateu a temível seleção americana e foi aclamada. Lembro que era pequena e sonhava poder ser um Oscar. Isso mesmo, queria jogar como aquele homem que fazia mágica em quadra. Mas minha baixa estatura não cooperou muito com meus sonhos. Modismos à parte, sendo a vedete do momento no Brasil, o UFC vem despertando nos brasileiros uma paixão inflamada pelo esporte. Arrastou uma penca de pessoas comuns ao octógono na HSBC Arena no Rio, uma dezena de globais, uma outra de políticos e até o milionário Eike Batista estava lá prestigiando o evento. O organizador do evento, um fortão de nome Dana White, ainda deve estar tentando entender o que viu. Ficou impressionado com a animação da torcida, uma euforia que, segundo ele, não via ha muito tempo nas arenas, mas devia-se ao consumo exagerado de cerveja. Viu também objetos sendo atirados na direção da arena e os bonés dos lutadores sendo roubados. E olha que só assistiu ao vivo quem podia pagar, visto que o valor dos ingressos variava entre R$ 250,00 e R$ 1.600,00. Logo, trabalhador-favelado-assalariado não poderia ter ido lá atirar coisas, nem roubar bonés. Ufa....Segura essa, classe média! Assistindo ao evento em casa, notei sutil semelhança com as arenas dos César's. E isso deveu-se à euforia descontrolada da platéia, que assemelhou-se aos pobres miseráveis daquela época que, famintos à espera de pão, anseavam loucos por sangue, suor e tripas pelo chão. Vou rever Gladiador e Espartacus essa semana, só p/ tirar a dúvida se evoluímos tanto desde a Roma Antiga.

Ave Cesar!


E para o povo “panis et circenses”!

Nenhum comentário:

Postar um comentário