Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




sexta-feira, 7 de março de 2014

I want my cat. (by Fabi)

 
Só quem tem amor, só quem sabe amar, só quem precisa de amor, entende o que é criar e amar um animal e entende a dor da perda deste quando ele se vai.
Num primeiro momento, você chora, se deprime, você se sente pesarosa e de luto, pq o bichinho se integrou a família, fazendo parte dela.
Num segundo momento, se sente ridícula, pq pessoas sem nenhum bom senso ou noção de apego, desconsideram total e completamente o que você sente. Em geral, não nos dão "permissão" para demostrar a dor abertamente. Dessa forma, nos sentimos frequentemente isolados e sozinhos.
Não entendem que você  perdeu um amigo, um companheiro, para os mais solitários pode-se dizer que perderam praticamente um cúmplice. No caso dos idosos, das crianças, dos doentes em tratamento psicológico, essa perda pode ter consequências até irreversíveis.

Mas quem estaria interessado? Cheguei a ouvir "Ahhh para com isso, né? É só um bicho, pelo amor de Deus!"
O que dizer a esses seres? Balancei a cabeça, respondi um "É." quase inaudível e continuei andando.
Não disfarço, nem dissimulo o que sinto. Estou sofrendo, estou sofrida, num momento sofrível.
E o que é pior: quero meu gato de volta! Sei que é infantil e insensato.
E que coerência há na dor e na saudade?


"A compaixão pelos animais
está intimamente ligada a bondade de caráter,
e quem é cruel com os animais
não pode ser um bom homem."
 
 
 

Nenhum comentário:

Postar um comentário