Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




domingo, 2 de março de 2014

Prêmio Nossa Biboca de Cinema (By Gian)

Escrevo e publico esse texto já achando que cometo injustiça com três diretores que adoro: Martin Scorcese, Stephen Frears e os irmãos Coen. Pois ainda não consegui assistir aos seus filmes de 2013, respectivamente “O Lobo de Wall Street”, “Philonema” e “Inside Llewyn Davis” e já divulgo minha lista dos melhores do ano. Como eu já havia dito anteriormente, os produtores esperam a aproximação da data do Oscar para lançar seus longas mundialmente, e aí embola tudo, os melhores filmes estadunidenses entram em cartaz quase que ao mesmo tempo e alguns acabam saindo sem dar tempo de assistir. Também não consegui ver o aguardado e premiado filme do sul coreano Kim Ki-duk, em que a mãe castra o filho de madrugada achando que é o marido, e nem “Um Estranho no Lago” que faturou Veneza e ganhou o Queer Palm - prêmio destinado a filmes com temática gay no Festival de Cannes - e prêmio de direção na Mostra Um Certo Olhar, do mesmo festival. Então pode ser que daqui a um mês outros mereçam entrar em alguma posição da lista e que outros mereçam sair, lembrando também que aqui entram algumas produções de 2012 que só chegaram no Brasil no ano passado.

Então vamos lá, esse ano eu tive dúvidas ao escolher as posições do segundo ao quinto colocado, pois realmente são filmes muito bons e diferentes entre si, dificultando a ordem da colacação. Todavia não tive a menor dúvida em eleger o vencedor, que é disparado o melhor filme de 2013. O tão aguardado prêmio Nossa Biboca de Cinema de 2013 vai para:

1 – “Azul é a Cor Mais Quente” de Abdellatif Kechiche (França) – Não escondo de ninguém: Fiquei apaixonado pela a atriz Adèle Exarchopoulos.  Para vocês terem uma idéia eu já assisti três vezes esse filme que tem três horas de duração, já perdi nove horas da minha vida babando na interpretação natural, leve e competente dessa garotinha de 20 anos que anda arrebatando corações mundo afora. O filme é dirigido pelo tunisiano  Abdellatif Kechiche, que o divide em duas partes. Na verdade, o título original é “La Vie d'Adèle - Chapitres 1 et 2” mas em algumas partes do mundo apimentaram o nome do filme para dar mais ibope. Mas a gente esquece tanto da divisão como do nome e mergulha de cabeça na vida de Adele, uma estudante menor de idade que ainda mora com os pais, e que não parece muito satisfeita com seu atual namorado. Num passeio pela rua ela cruza com uma mulher de cabelos azuis e se apaixona a primeira vista. Adele, que vive numa sociedade preconceituosa, aos poucos se vê envolvida em um relacionamento homossexual que vai mudar sua vida para sempre. Não vou mais entrar em detalhes do roteiro, é um filme visual, sensual e bonito. Os pontos fortes não estão somente nas fenomenais atuações, estão na fotografia, na cor que acompanha e muda de acordo com as emoções da personagem principa, e nas sutilezas de um amor proibido. O filme também gerou protesto mundo afora, sendo proibido em alguns países pelas cenas de sexo reais entre as duas protagonistas. “La Vie d' Adèle “é uma experiência cinematográfica pura, um festival minimalista de amor que transcende todas as barreiras. Intenso, cru e honesto acima de tudo. Um marco cinematográfico.

2 - “A Caça” de Thomas Vinterberg (Dinamarca)
3 - “O Som ao Redor” de Kléber Mendonça Filho (Brasil)  
4 - “Tabu” de Miguel Gomes (Portugal)
5 - “ Camille Claudel, 1915” de Bruno Dumont (França)
6 -  “Clube de Compra Dallas” de Jean-Marc Valée (EUA)
7 - “Blues Jasmine” de Woody Allen (EUA)
8 - “Alabama Monroe” de Felix Van Groeningen (Belgica)
9 - “Isto não é um Filme” de Mojtaba Mirtahmasb e Jafar Panahi (Irã)
10 - “Doze Anos de Escravidão” de Steve McQueen (EUA)

                                                            * * *
Hoje à noite Hollywood festeja o cinema na maior e mais assistida premiação do Mundo, na minha opinião porém uma das mais injustas. Mas pela importância e pelo status que o nome “Oscar” leva não tem como eu não torcer por alguns que longas da dispura, mesmo achando que nenhum dos representantes por mim escolhido vão levar o prêmio. Hoje a noite eu ficaria feliz se the Oscar Go to:

Filme: Clube de Compras Dallas
Diretor: Steve McQueen (12 anos de escravidão)
Atriz: Cate Blanchett  (Blue Jasmine)
Ator: Matthew McConaughey (Clube de Compras Dallas)
Ator coadjuvante: Jared Leto (Clube de Compras Dallas)
Atriz coadjuvante: Lupita Nyong'o (12 Anos de Escravidão)
Roteiro Adaptado – Não posso opinar, dos que assisti apenas 12 anos de escravidão concorre.
Roteiro Original: Woody Allen (Blues Jasmine)
Fotografia: Os Supeitos
Montagem: Clube de Compras Dallas
Maquiagem: Clube de Compra Dallas
Filme estrangeiro: A Caça 

Nenhum comentário:

Postar um comentário