Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




segunda-feira, 23 de junho de 2014

Romulus, My Father (by Gian)



Normalmente os filmes baseados na vida ou nas memórias de alguém são realizados quando a pessoa já morreu, Bob Dylan, Lula e Raimond Gaita são algumas das poucas exceções de pessoas que podem ir ao cinema assistir histórias de sua própria vida. Esse último teve seu livro de memória filmado pelo diretor australiano Richard Roxburgh na película “Romulus, Meu Pai”, que conta a triste e complicada infância de um menino, Raymond, que vive praticamente isolado da sociedade com um pai ultramoralista que é apaixonado pela ex-esposa, omissa e ausente em relações familiares, e depressiva em adversidades. O filme se desenrola sob o olhar infantil da criança, que ama os pais, e sonha em ter de volta sua família unida debaixo do mesmo teto, mesmo sabendo que a mãe abandonou a casa para morar com o melhor amigo do seu pai e cuja fama é das piores na redondeza. A relação do tio com a família, parente mais presente na vida deles, também é obscura, e sugere algum segredo entre ele e a mãe do menino. Descobrindo o amor e o rock no momento em que os adultos se mostram mais intransigentes e complicados, Raymond se transforma em mero espectador de um momento triste de sua vida. A interpretação do encantador Kodi Smit-McPhee da emoção aos sentimentos do garoto, sem apelar por lágrimas; já Eric Bana no papel de Romulus faz um pai sério, melancólico e acorrentado em preceitos rígidos, mas sempre muito preocupado com a educação de uma criança que tem como tutores diretos pessoas emocionalmente alteradas.
Atenção especial para a magnífica fotografia!

Nenhum comentário:

Postar um comentário