Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




segunda-feira, 4 de junho de 2018

13ª Emenda (13th)


 Hoje em dia, ao dialogarmos sobre cinema, é inevitável o assunto do forte impacto das atuais exibições via streaming, em especial a NETFLIX, que já conta com mais de 100 milhões de assinantes mundo afora que ainda compartilham senhas e perfis com amigos e familiares. Com todos os prós e contras, a NETFLIX tem uma força comparável com as que tinha as locadoras de VHS nas décadas de 80 e 90, e com o chamariz a mais de que a maior parte da sua arrecadação está sendo utilizada para produções próprias, que vão dos Blockbusters ao cinema alternativo, passando até pelo de garagem.  A questão que surge com impacto é se vale a pena ou não pagar em média trinta reais mensais para ter acesso aos serviços do provedor global mais famoso de filmes e séries. Sempre respondo que vale a pena sim, em especial pelos documentários originais da casa. Independente ou não de você não gostar de séries, assim como eu, ou não achar animador seu conteúdo quase nulo de clássicos do cinema mundial, a NETFLIX revolucionou o gênero documental, e se a pessoa vem me dizer que não curte esse gênero, eu cordialmente peço para começar a ver alguns em questão e tentar mudar esse conceito. O primeiro que indico, é “A 13ª Emenda”, que não é só um belo filme, é um documento necessário para o bom entendimento do preconceito racial e do sistema carcerário dos Estados Unidos. A diretora afrodescendente Ava DuVernay (Selma: Uma luta pela Liberdade) começa a obra questionando o porquê dos EUA que tem 5% da população mundial em seu território, ter 25% dos detentos de todo o mundo enjaulados nas suas penitenciarias; e de forma didática e de denúncia, com  testemunhos de intelectuais, políticos, assessores, lobistas, jornalistas e especialistas em assuntos tão diversos quanto história ou economia, ela constrói um quadro chocante da política adotada pelo governo de por medo na população e enjaular de forma perpétua cidadãos pobres e negros. A partir disso a diretora explica de forma equilibrada como prisioneiros negros foram usados para reconstruir a economia do Sul após a Guerra Civil, o surgimento da Ku Klux Klan, a onda de linchamentos, enforcamentos e assassinatos em massa de negros e toda a segregação construída com a ajuda da mídia e do próprio cinema. O filme foi selecionado para abertura do festival de Nova Iorque. Imperdível Nota, 9,5

Nenhum comentário:

Postar um comentário