Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




segunda-feira, 31 de agosto de 2015

Difícil Ressocialização



Penitenciárias são escolas do crime, quem cumpre pena pior sai. Lá se mesclam delitos de diferentes graus: facções dominam alas, celas e andares, fazendo com que aqueles que antes não tinham vínculo com o tráfico ou com maiores crimes, sejam obrigados a cooperar, a depender de favores e a se unir a algum grupo criminosos que controla a criminalidade dentro e fora da cadeia. E ainda há aqueles que defendam a redução da maioridade penal, querem colocar nossos jovens em um covil de marginalidade cuja visão de futuro somente será através do crime, da violência. Mas isso é assunto para uma outra postagem, muito mais abrangente e detalhada, e vou esperar que o Senado vete o texto da redução, que só passou na Câmara pela manobra política do peçonhento Eduardo Cunha, para me manifestar melhor sobre o assunto. Vim falar de cinema grego.

De dia ele é confeiteiro em uma padaria, de noite é assassino profissional. Foi preso por homicídio, supostamente qualificado: assassinou com muita violência àqueles que atentaram contra a honra de sua namorada. E não se sabe mais nada sobre os verdadeiros acontecimentos, sobre as exatas motivações que o levaram a um crime tão bárbaro, somente que, enquanto preso, passou a dever favores para o líder de uma das facções que controlam a vida no presídio, e que lá salvou sua vida e ajudou para que seu direito à liberdade se concretizasse.
Stratos conte essa história fictícia, mas que poderia ser real, baseada na vida de algum ex-presidiário que realmente sonha em sair de um complexo penitenciário e voltar a ter uma vida normal, a trabalhar dignamente para recuperar sua dignidade e sua moral perante a sociedade. Todavia, a vida pregressa dentro de uma unidade prisional o fez depender de gente que não gostaríamos de contar, e só isso já basta para nunca mais encontrarmos o caminho da vida íntegra.
Com uma atuação soberba de Vangelis Mouriki como matador profissional e um roteiro muito bem escrito, Stratos foca na criminalidade para mostrar uma Grécia em crise, um capitalismo canibal e inescrupuloso que devora as entranhas de seu povo.

Nota 8,0

Um comentário:

  1. Fiquei com muita vontade de assistir o filme depois dessa sua crítica. E também estou com saudades! Eu vivo perdendo os seus contatos, mas tenho um carinho muito grande por você e nunca te esqueço. Me manda um email, amigo sumido. anapaulabaro@gmail.com
    Saudades! ��

    ResponderExcluir