Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




segunda-feira, 30 de abril de 2018

Pela Janela



Rosália é uma sexagenária que trabalha há trinta anos em uma pequena empresa de São Paulo. O dono, que começara com um pequeno trabalho de montagem de peças eletrônicas, conseguira ampliar o negócio a ponto de poder manter algumas dezenas de funcionários que, manualmente, montam fusíveis e outros artefatos descomplicados. A rotina do microcomércio é modificada a partir da sua fusão com uma empresa maior, momento em que Rosália é dispensada da noite para o dia. Sem emprego, com a rotina de três décadas quebradas, a depressão começa a querer das as caras, e a tentativa de consolo vem do irmão mais velho, que deve entregar um carro em Buenos Aires e a convida para acompanha-lo. A partir daí estamos diante de um Road Movie onde a personagem principal começa a viver pequenos prazeres que até semana anterior era improvável, pela carga horária exigida no seu emprego. Cada vento no rosto, cada contato com pessoas diferentes e cada visita a algum ponto turístico, acontece como se fosse uma nova experiência espiritual. E a economia de palavras, de linguagem, de comunicação verbal, não se dá apenas por Rosália não dominar o idioma do país vizinho, e sim porque de uma hora para outra ela aprendeu a exteriorizar os sentimentos muito mais pelo olhar do que pelas palavras. Estreia segura da cineasta brasileira Caroline Leone, que transmite de forma simples o retrato amável de dois personagens que apesar de já terem vivido uma vida inteira, ainda descobrem a poesia em pequenos gestos. Vencedor do Panorama Internacional Coisa de Cinema na categoria Melhor Filme, e do 12º Fest Aruanda do Audiovisual Brasileiro nas categorias de Melhor atriz pra Magali Biff, Melhor ator coadjuvante para Cacá Amaral e Melhor Som.  Nota 80

Nenhum comentário:

Postar um comentário