Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




segunda-feira, 18 de outubro de 2010

Aborto? (by Fabi)



Entreviste qualquer mulher e faça a seguinte pergunta: "Vc é a favor do aborto?" A resposta é quase que imediata: "Não!" O texto parece decorado: "Ninguém tem o direito de tirar a vida de ninguém!"
Óbvio. Todo mundo sabe disso. O grande problema é que apesar de saber disso, o aborto é sempre a primeira alternativa de muitas mulheres, diante de uma gravidez não-planejada.
No Brasil o aborto é considerado crime, exceto em casos de estupro e em caso de risco de vida materno. Porém, muitas mulheres recorrem à essa prática indiscriminadamente, colocando em risco a própria vida.
Sendo o assunto em voga na atualidade em nosso país, onde religiosos, feministas, políticos e afins tomam posições extremas, fazem discursos inflamados e/ou ministram mensagens de fé em suas cerimônias religiosas a respeito do tema, a discussão sobre o aborto ainda está longe de seu fim. Lamentável, que o aborto esteja sendo convertido em fonte de benefícios políticos. Onde o candidato A, ataca o candidato B com calúnias (ou não), usando o aborto como arma. Onde líderes religiosos saem de seus púlpitos para apoiar A ou B usando o aborto como desculpa.Há diferentes posições da ciência, da moral e da religião e diante dessa Babel de informações e discussões está o feto, embrião, bebê, seja lá como queiram chamar um ser que, inegavelmente, já está no ventre, mas que seu destino é incerto.
Sou contra o aborto. Ele tem sido empregado, pela maioria das mulheres e casais como método contraceptivo, como resposta à irresponsabilidade de duas pessoas adultas que não se preveniram durante o ato sexual. Diante do advento da tecnologia, da enxurrada de informações a que, nós mulheres, temos acesso hoje em dia, século XXI, é irônico achar que o aborto é a melhor solução para a mulher.
Não quero me ater às questões religiosas, muito embora, eu tenha as minhas convicções e as defenda ferrenhamente. Não é sobre religião que quero postar. É sobre os equívocos que norteiam o tema aqui tratado.
Li outro dia que o aborto tem que ser descriminalizado, pq o Brasil precisa de uma legislação que proteja a mulher. Perdoem a minha ignorância, mas proteger a mulher como? Se já foi clinicamente atestado que o aborto é altamente prejudicial à saúde física e psicológica da mulher, independente da situação em que é feito!
Pq não adotamos uma política preventiva? Pq não encaramos com mais seriedade o tema? Conscientizando, educando? Instruindo a população carente que não tem conhecimento de que nos postos de saúde são distribuídas, gratuitamente, pílulas anticoncepcionais e preservativos? Pq não vamos direto na raiz? Um trabalho de informação, uma política voltada à prevenção nas escolas, para que nossos adolescentes não cresçam encarando a camisinha como "chupar bala com papel", a pílula anticoncepcional como "uma coisa que engorda e deforma" o corpo da mulher e bater papo com os pais sobre sexo, como coisa ultrapassada.
A mulher precisa de proteção sim, mas uma proteção inteligente, proteção contra os abusos de uma sociedade machista, contra as agressões masculinas, contra a desigualdade na hora de procurar um emprego. Não devemos achar que o aborto é uma forma de proteger a mulher. Não devemos conceber que essa "proteção", dê à mulher legalidade para matar (desculpem o pieguismo), mas se viver é um direito, como privar alguém de tê-lo?
Sou mulher, mãe, educadora e não quero ter uma legislação que me proteja assim. Quero discussão, quero debate, quero fóruns. Quero informação, quero que minha filha, a filha da minha vizinha, as minhas alunas tenham acesso a ela de maneira clara, inteligente e coerente. E que fique bem claro, que ter direitos sobre o próprio corpo, sobre a própria vida, não significa violentá-la, atentar contra ela...
Diga não à violência.
Diga sim à vida. Sempre!


Nenhum comentário:

Postar um comentário