Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




quarta-feira, 20 de outubro de 2010

Dilma, terrorista? (by Fabi)

DILMA ROUSSEFF




Presas políticas assassinadas, com requintes de crueldade, no período da ditadura militar, também consideradas por alguns, terroristas.


* Aurora Maria do Nascimento Furtado – militante da ALN, foi presa em uma emboscada em que matou um policial e feriu outro. Revoltados, seus algozes a penduraram no pau-de-arara, mesmo com o braço estraçalhado por um tiro. Assim que foi pendurada, houve fratura exposta. Como Aurora não dava informação alguma, aplicaram nela a chamada “Coroa de Cristo”. Trata-se de um torniquete de aço que pressionava o crânio. A violência foi tanta, que Aurora perdeu a vida com afundamento do crânio e um olho saltando da órbita tamanha foi a pressão do torniquete.


* Sônia Maria de Moraes Angel Jones – presa juntamente com seu companheiro Antônio Carlos Bicalho Lana, foi cruelmente torturada. Teve os seios arrancados na tortura e morreu após ter introduzido em sua vagina um cassetete que lhe perfurou os órgãos internos, causando hemorragia. O mais cruel de tudo, é que entregaram à família o cassetete que causou a morte de Sônia.


* Maria Regina Lobo Leite Figueredo - foi ferida quando a casa em que se encontrava foi invadida por agentes do DOI/CODI-RJ no dia 29 de março de 1972. Lígia Maria Salgado Nóbrega e Maria Regina, juntamente com Antônio Marcos Pinto de Oliveira, foram presos e assassinados.O corpo de Maria Regina chegou ao IML pelaGuia n° 02 do DOPS, como desconhecida, vindo da Av. Suburbana, n° 8988, casa 72, Bairro de Quintino (RJ), como tendo sido morta em tiroteio. Entretanto, há testemunhas que dizem que, após ser baleada, foi levada para o DOI-CODI, onde veio a morrer horas depois, tendo inclusive sido levada para o Hospital Central do Exército.
Leia alguns depoimentos de mulheres militantes políticas, hoje consideradas terroristas, que provaram toda essa crueldade na pele.


"Ressaltamos que vários anos após o término da ditadura militar, no documentário Que Bom te ver viva, várias presas políticas narram o pavor ao ver insetos: como baratas ou animais como ratos e lagartixas, sendo que estes foram muito utilizados nas torturas. As mulheres eram torturadas mesmo estando grávidas. Os torturadores, normalmente, tinham conhecimento da gravidez e ainda assim continuavam as sessões de tortura. No livro Brasil Nunca Mais, há vários depoimentos relatando os procedimentos da tortura e suas conseqüências ulteriores, como no caso de Frei Tito, que suicidou quatro anos após sua prisão, na França, em decorrência das debilidades psico-emocionais causadas pelo período de tortura.

A bancária, Inês Etiene Romeu, denunciou:

[...] A qualquer hora do dia ou da noite sofria agressões físicas e morais. Márcio invadia minha cela para examinar meu ânus e verificar se Camarão havia praticado sodomia comigo. Este mesmo Márcio obrigou-me a segurar seu pênis, enquanto se contorcia obscenamente. Durante este período fui estuprada duas vezes por Camarão e era obrigada a limpar a cozinha completamente nua, ouvindo gracejos e obscenidades.

No livro “Mulheres que foram à luta armada”, temos o depoimento de Áurea Moretti que segundo o autor ainda treme de ódio ao relembrar determinadas cenas:

[...] Os soldados vinham na grade e gritavam: Boneca terrorista? Diziam que iam jogar dados para saber qual seria o primeiro da fila. Uma noite, desmaiada de cansaço e de pau de arara, eu dormi na cela. De repente, no escuro, um tropel na escada, uma “gritalhada” dentro do quartel. Já acordei com eles invadindo, arrebentando, xingando, um já dando chute, outro me amarrando com a corda. Me levaram escada acima. Era a Operação Bandeirantes que tinha chegado no pedaço. E já tinha uns caras passando a mão no meu corpo, dizendo que iam casar comigo. Um deles virou meu noivo. Não, você não, quem vai casar com ela sou eu! Me agarrou. Era uma cena louca, um corredor cheio de soldados dos dois lados, eu passando com aquele bando. O cara agarrado em mim falou: eu vou casar com ela! E de repente eles começaram a cantarolar a marcha nupcial e eu passando de noiva do torturador para ser estuprada na sala de torturas, lá em cima. É todo um terrorismo. Ele me agarrando, ele e os outros, avançando, passando a mão, pegando mesmo. Nos seios, nas coxas, tudo pra eu acreditar que lá em cima seria o estupro.[...] Essa coisa de ameaça sexual era permanente e pra mim isso aí não tem perdão."

Uma imprensa cruel e pode-se dizer até desinformada, vem atacando a candidata do PT à Presidência da República, Dilma Rousseff , acusando-a de ter um passado terrorista. O mais patético, para não dizer irônico, nessa situação, é que se hoje, os veículos de comunicação podem se manifestar livremente, expondo suas idéias e opiniões, é graças aos ditos “terroristas” que foram para as ruas, embrenharam-se nas matas, afastaram-se de suas famílias com armas em punho , em prol de uma pátria mais democrática, onde mais de 40 anos se passaram e mães ainda esperam poder enterrar seus filhos que simplesmente, foram “riscados do mapa”. Eram tempos difíceis aqueles. Falar de política era complicado. Universitários eram rapidamente silenciados, quando o assunto era política. A censura imperava. Artistas tiveram que fugir do país, pois não estavam inseridos no contexto político da época.
Àqueles que desconhecem o passado obscuro do Brasil, pois é assim que considero o período da ditadura, quero informar que se hoje vc pode ter acesso a todo e qualquer tipo de informação por parte da imprensa, é graças à luta de alguns “desgraçados” que já morreram, ou de alguns ditos terroristas, que como Dilma Rousseff foram para a frente de batalha e colocaram a cara p/ bater, dizendo não a um regime de governo autoritário e manipulador, sendo presa e submetida às mais criativas formas de torturas. Torturas essas, que eram comuns aos homens e às mulheres, e torturas exclusivamente destinadas às guerrilheiras. Estupro, tortura psicológica, gravidez indesejada, hoje os filhos da ditadura, provas vivas do que acontecia no submundo obscuro no período do governo militar , concebidos no cárcere, frutos da violência sexual a que eram submetidas as mulheres, eram só a” entrada” de um cardápio que contava com as mais absurdas formas de violência contra a mulher guerrilheira daquela época.
Não quero 4 anos de retrocesso. Não quero que o Brasil seja considerado novamente um país de miseráveis. Não quero o sorriso plastificado de um candidato de idéias neoliberalistas. Quero a seriedade de quem sabe o valor da vida, de quem já lutou pela democracia às custas de muito sangue e suor.
Na época da ditadura militar, podemos qualificar dois tipos de militantes políticos: os que lutaram e os que fugiram. Se a nomenclatura que vc usa p/ quem lutou é terrorista, a que eu uso p/ quem fugiu é covarde.
Fabiane Salles

“A minha gente hoje anda/falando de lado/olhando pro chão.”
(Chico Buarque de Holanda, “Apesar de você”, 1970)



* Dilma Rousseff – Em 1967, era militante da Política Operária (POLOP), em Minas Gerais, junto com seu marido, Claudio Galeno de Magalhães Linhares (“Aurelio”, “Lobato”). Saiu da POLOP e,também com seu marido, ingressou no Comando de Libertação Nacional (COLINA), tendo sido eleita, em Abril de 1969, quando atuava na então Guanabara, membro do seu Comando Nacional. Além disso, acompanhou a fusão entre o COLINA e a Vanguarda Popular Revolucionária, que deu origem à Vanguarda Armada Revolucionária Palmares (VAR-P). Em Setembro de 1969, participou como convidada – só com direito à voz – do I Congresso da VAR-P, realizado numa casa em Teresópolis. Nessa ocasião, Darcy Rodrigues, um ex-sargento do Exército oriundo da VPR, tentou agredi-la , sob a ameaça de Dilma não mais poder participar das ações armadas. Na ocasião, recebeu a proteção de Carlos Franklin Paixão de Araújo e com ele foi viver e militar no Rio Grande do Sul e, logo depois, em São Paulo, onde foi presa em 16 Janeiro de 1970.



Fontes:







4 comentários:

  1. Quando o nome da Dilma for cravado como a primeira mulher presidente do Brasil, vamos poder iniciar uma nova fase no país.
    Todo esse desespero da Globo, Veja, Folha e alguns outros é porque eles sabem que não sobreviverão ao ostracismo. Cada vez menos pessoas acreditam ou acompanham o que eles falam. Não vai demorar surgirem os primeiros sinais de dificuldades financeiras. Não resistirão aos concorrentes que serão muitos e muito menos à regulamentação da comunicação social no país.
    Cresceram às custas dos acordos com governos ditadores ou “privateiros” e não quiseram aprender a conviver com a democracia. Preferiram usar as armas que possuem para destilar veneno contra o governo mais popular da história do país. Tentaram resgatar a contra-reforma católica ao falarem do aborto como um tema de campanha política e agora estão cegos diante da sobrevida que ganharam com a necessidade do segundo turno e pensam que foi o Serra ou a própria mídia que conquistaram isso.
    Tenho acompanhado atentamente toda a movimentação em torno do segundo turno e é fácil perceber que os DEMOTUCANOS e a parte podre da mídia ainda carecem de novos escândalos, pois o povo já não quer mais ouvir falar da Erenice ou da “quebra do sigilo fiscal”. O povo que votou na Marina por ideologia não vai votar no Serra. Esse voto é do PT, sem precisar pedir. São pessoas que jamais votariam na direita. O bom é que a parte podre da mídia insiste em querer dizer que o apoio do PV ou da Marina serão determinantes. Falam isso porque estão presos ao passado. Pensam que ainda podem manipular a sociedade com as suas mentiras.
    O que eu quero ver nas pesquisas de opinião pública é o índice de rejeição. Certamente vamos observar que o não ao Serra é maior do que o não à Dilma. Isso definirá as eleições.
    O Brasil quer Dilma!

    Prof. Pedro Lima

    ResponderExcluir
  2. Prof. Pedro Lima....TEM CERTEZA QUE É PROFESSOR??????

    ResponderExcluir
  3. Ele não tinha como adivinhar 4 anos atras.. Sabe nada, inocente.

    ResponderExcluir
  4. Com fotos tiradas dos seus próprios arquivos, os terroristas querem justificar o roubo de mais de R$ 36 trilhões e o assassinado de mais de milhões de pessoas em 13 anos no poder, no qual chegaram pela mentira, traição, assassinatos, assaltos e todos os tipos de marginalidades que constituem sua especialidade. Imaginem qual seria o tamanha da tragédia do povo brasileiro, se desde que eles surgiram a 50 anos atras, fazendo o que as fotografias que eles mostram e que se comprovam com o que eles faze a 13 anos no poder. Então, o povo brasileiro deve muito aos seus soldados que o livraram das garras dos terroristas. Tendo cometido o único erro de tê-los anistiado, ao invés do que deveria ter sido feito.

    ResponderExcluir