Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




sexta-feira, 24 de setembro de 2010

Sem explicação (by Fabi)

Ainda me desconcerta a capacidade destrutiva que algumas pessoas tem para pôr fim às coisas.
Disseminam maledicência, ferem, causam dor. Pior do que uma porrada bem dada, o comentário maldoso compromete pessoas e fere reputações.
É muito triste constatar que, fizemos papel de tolos confiando em alguém indigno de qualquer tipo de laço de amizade, que faz troça da sua intimidade, zombaria de situações consideradas normais dentro de um contexto de amizade e respeito, divulgando-as em rodinhas de bêbados em festas e /ou reuniõeszinhas particulares.
Na verdade, acho que pessoas que se comprazem nesse tipo de comportamento são sempre inquietas e infelizes, possuindo extrema dificuldade de se socializarem. O mais estranho nisso tudo é que quando encontram amigos de verdade, pessoas de boa índole, bom coração, que possa vir a amá-las com pureza de alma, agem de maneira sórdida e venenosa.
A amizade verdadeira, vai além de "eu te amo's" no Orkut, por sms no celular. Amizade verdadeira é construída sobre sólidos valores morais. Não se abala com facilidade e quando isso acontece, os verdadeiros amigos, sentam, conversam e tentam pesar na balança da sensatez, as razões pelas quais devem continuar a serem amigos.
Dizem, que tendemos a identificar nos outros, o que abunda em nós. Por isso pessoas bondosas, de sentimentos nobres e puros, são incapazes de enxergar maldade no próximo. Maldade essa, que leva um ser humano, dependente de outro (todos nós dependemos de alguém), a se aproveitar da boa fé, dos bons sentimentos de um amigo, promovendo-se às custas deste, promovendo boataria e destilando maldade.

Lamento informar, mas estarão fadados ao abandono, ao desamparo e à solidão, pq eu me recuso a acreditar, que pessoas em sã consciência, gozando de boas faculdades mentais, darão ouvidos aos surtos, à insanidade de um indívíduo desajustado social.
É nessas horas que agradeço a DEUS por conhecer todo e qualquer tipo de pessoas e por ter tão poucos AMIGOS. Poucos, porém , fiéis, parceiros, cúmplices e para toda a vida.
Acredito na bondade humana, ainda. E principalmente: acredito na amizade, sempre!

Nenhum comentário:

Postar um comentário