Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




terça-feira, 14 de setembro de 2010

Valor (by Gian)

Escutando uns rocks nacionais dos anos oitenta me deparei com um som que eu gostava muito na adolescência (e a cada dia que passa gosto mais). Diz sobre Valores. A Banda é de Brasília, Plebe Rude, e ainda continua na ativa. A letra tinha passagens interessantes do tipo:

A gente só dá valor às máquinas
Quando não funcionam mais
Só damos valor à tranqüilidade
Quando não nos deixam em paz;
A gente só dá valor ao trabalho
Quando estamos desempregados
A gente só dá valor à religião
Quando estamos desesperados.
A gente só dá valor às amizades
Quando estamos na solidão
Nós só damos valor à frieza
Quando perdemos a razão(...)
(...)Quem não da valor ao que tem
Não merece ter nada de valor "

Faz pensar não é mesmo? Você valoriza o que? E por que?
Lembro que quando perdi meu avô o quanto de lágrimas derramei debaixo do chuveiro pensando no valor que poderia ter dado. Sempre me trazia chocolates, me beijava ao sair de casa, me paparicava na frente dos amigos que diziam que ele era meu pai, por não aparentar idade pra ser avô. Eu o correspondia apenas com um sorriso de timidez. Que tristeza me invade até hoje nunca ter dito EU TE AMO AVÔ, VOCÊ FAZ MEU DIA SER MAIS FELIZ QUANDO ESTÁ COMIGO! Mas não sei se isso é questão de valor, eu o amava e acho que isso ele percebia ao ver meu sorriso tímido. No céu agora ele sabe o valor que eu dava a ele, pois céu que se preze deve ter Internet e vovô com certeza acessa a Nossa Biboca, juntamente com os animais que ele amava tanto (bicho no céu tem as mesmas prerrogativas que gente).
Há muito tempo atrás, no período pré-socrático, as pessoas davam maior valor àqueles que viviam das artes, que faziam coisas belas com as mãos. No período pós-socrático, a razão e a inteligência eram as qualidades mais estimadas num homem, sendo a erudição o pressuposto fundamental para se diferenciar o bom do mediano e do ruim.
Hoje a maioria das pessoas dá valor ao lucro, aos bens materiais. O dinheiro é a forma usual de separar quem pode ou não se sobressair aos demais. Estamos na direção certa ou andamos pra trás? Você dá valor a que?

Nenhum comentário:

Postar um comentário