Sejam Bem-vindos

Ideia, cinema, literatura, opinião, crítica, política, Direito, dia-a-dia - Um espaço para escrever, relaxar e soltar o verbo.
A preocupação é deixada de fora.


Sinta-se em casa!




sexta-feira, 6 de agosto de 2010

O mundo pela janela (By Cris Brandão)

Hoje eu passo a tarde no carro. Da janela, observo o vai e vem das pessoas nesse transe coletivo e infinito da vida urbana. Uns passam sorridentes, outros apressados, alguns ao telefone, outros acompanhados, de mãos dadas, arrumando os cabelos, mascando um chiclete ou falando sozinhos. Fumantes, aleijados, mendigos, crianças, adolescentes e idosos; “tics” nervosos e cacoetes, cacoetes aos montes, puta que pariu! Milhares. Homens, mulheres, assexuados, putas e travestis. Ternos, vestidos, gravatas, bermudas, tênis, roupas íntimas aparentes. Pensamentos e mais pensamentos transbordando num silêncio agonizante em meio aos barulhos da cidade viva. Trânsito, carros, insetos, sol e bundas. Jornais, lixo e cachorros revirando as latas, esfomeados, satisfeitos com migalhas. Chinelos e pés descalços, sapatos e passos, passos infinitos. Beleza, feiúra, padrão. Vozes, gemidos e olhares.
A cidade respira. Vive. As cores se misturam, celebram a vida, que passa quase que despercebida aos milhares de olhos mirados para dentro, sempre.
Asfalto, calçada, postes, semáforos: verdes, vermelhos, amarelos, pedindo atenção. Tudo pede atenção. Transversais, paralelas e vielas; botecos e lojas e jogo do bicho. Banqueiros, aposentados, miseráveis e ladrões de merda. Ratos também. Tudo da janela do carro. Essa tarde, a janela do mundo.
"Live Free Die Well"...

Um comentário:

  1. Deve ser por isso que todas as vezes em que estou andando sozinha me sinto observada.

    ResponderExcluir